side-area-logo

A Hapag-Lloyd amplia sua estratégia de sustentabilidade

A Hapag-Lloyd amplia sua estratégia de sustentabilidade

Com o sistema de propulsão de seus navios. O objetivo é reduzir as emissões de gases de efeito estufa com ações “realistas” para a próxima década.

A logística e o transporte devem conservar recursos em todos os níveis. Nesse sentido, a Hapag-Lloyd expandiu sua estratégia de sustentabilidade – específica e realisticamente – para se concentrar em uma série de questões, incluindo motorizações à prova de futuro. Em sua estratégia de sustentabilidade expandida, a Hapag-Lloyd se concentra nas alavancas mais eficientes e estabeleceu metas realistas para a próxima década.

O foco principal da Hapag-Lloyd será o transporte limpo e os sistemas de propulsão preparados para o futuro. É importante ressaltar que a Hapag-Lloyd pode fazer uma grande diferença, melhorando a sustentabilidade de sua própria frota, que é composta por mais de 240 embarcações. Nesse caso, gases de efeito estufa (GEEs), ar puro e cadeias produtivas sustentáveis ??terão um papel importante.

É claro que os navios porta-contêineres já são o meio de transporte mais eficiente quando se trata de transportar grandes quantidades de mercadorias, mas ainda há espaço para melhorias nesse aspecto. Ao fazer alterações nos sistemas de propulsão de seus navios, a Hapag-Lloyd também está contribuindo positivamente para os esforços de proteção da nossa saúde e do meio ambiente.

Por exemplo, usando óleo combustível com baixo teor de enxofre determinado pela Organização Marítima Internacional (IMO), a linha de navegação foi capaz de reduzir as emissões de óxido de enxofre de sua própria frota em 2020 em cerca de 70% em comparação com 2019.

Aja com consistência e determinação — No entanto, as mudanças climáticas – causadas pelos GEEs – continuam sendo o maior desafio. — O fato é que o transporte marítimo como um todo é responsável por cerca de 3% de todas as emissões de GEE e é exatamente aí que queremos e devemos melhorar — diz Ulf Schawohl, chefe da unidade de Assuntos Regulatórios e Sustentabilidade.

Os seis navios porta-contêineres de última geração que a Hapag-Lloyd recentemente comissionou vão emitir 15-25% menos CO2, já que seus motores de alta pressão e bicombustível também serão capazes de funcionar com gás natural liquefeito (GNL). O uso de GNL é atualmente considerado a melhor e mais limpa opção disponível. Porém, no caminho da descarbonização, o GNL fóssil deve ser substituído, a médio prazo, pelo gás natural sintético (GNS), à base de hidrogênio, ou pelo Bio-GNL.

A Hapag-Lloyd também adotou uma abordagem sustentável para financiar essas novas embarcações, concluindo duas transações de financiamento verde para elas que estão de acordo com os Princípios de Empréstimo Verde da Associação do Mercado de Empréstimos (LMA).

Além disso, a empresa de navegação colocou no mercado seu primeiro título vinculado à sustentabilidade e está vinculado ao objetivo de sustentabilidade da Hapag-Lloyd de reduzir a intensidade de CO2 de sua frota em 60% em relação a 2008, o ano de referência. IMO, até 2030 Como resultado, os esforços ambientais não podem ser separados das atividades econômicas.

Deixe os clientes decidirem — A sustentabilidade deve ser mensurável e comparável. A ação responsável também está se tornando um fator cada vez mais importante que os clientes levam em consideração ao selecionar a transportadora certa para eles. “Vamos perseguir nossas metas de sustentabilidade com determinação pelos próximos 10 anos, um prazo que permite uma visão geral realista —disse Ulf Schawohl. — Vamos aumentar gradativamente nossa contribuição aos esforços relacionados à sustentabilidade e à melhoria contínua—. | MM

Paulo Menzel

×