side-area-logo

Passeio de trem no Rio Grande do Sul leva turista ao viaduto mais alto das Américas

Passeio de trem no Rio Grande do Sul leva turista ao viaduto mais alto das Américas
Vista do Trem dos Vales atravessando um dos viadutos do passeio pelo Rio Grande do Sul Kadu Bernardi
Vista do Trem dos Vales atravessando um dos viadutos do passeio pelo Rio Grande do Sul Kadu Bernardi

Folha de S. Paulo – Conhecida carinhosamente como ‘’Princesa das Pontes’’, a pequena e tranquila cidade de Muçum, no Vale do Taquari (RS), distante pouco mais de 110 km de Porto Alegre, é o cenário de partida do Trem dos Vales, passeio que acontece em breves temporadas desde 2018.

Os 12 vagões são puxados por uma locomotiva a diesel elétrica norte-americana dos anos 1950, e conduzem os turistas por duas horas e meia pelos trilhos que integram a Ferrovia do Trigo (EF-491). No trajeto, cruza-se os municípios de Muçum, Vespasiano Corrêa, Dois Lajeados e Guaporé.

Além da observação das paisagens naturais, a diversão fica por conta dos 23 túneis e 15 viadutos do percurso, sendo um deles o V13, o mais alto viaduto ferroviário das Américas e segundo mais alto do mundo —ele perde apenas para o Mala Rijeka em Montenegro, no sudeste do continente Europeu.

São 143 metros de altura e 509 metros de extensão.

O V13 foi construído pelo Exército Brasileiro, na década de 1970, durante a ditadura militar. É um dos mais fotografados pelos turistas que embarcam no Trem dos Vales.

Outros dois viadutos que merecem destaque pela sua engenheira são o Mula Preta, com 98 metros de altura e 360 metros de comprimento, e o Pesseguinho, um pouco mais baixo, com 86 metros de altura e 268 metros de extensão.

Ao contrário do V13, estes são vazados em curva, ou seja, não contam com muretas de proteção —fica mais fácil de o turista experimentar a sensação de ‘’flutuar’’ nas alturas.

São 46 km no total, partindo da Estação Férrea de Muçum, inaugurada em dezembro de 1979 e restaurada em 2021. O destino final é a Estação Férrea de Guaporé. Cada bilhete vale para uma “perna” do trajeto, que também pode ser feito no sentido contrário.

Em cada vagão, um comissário explica aos turistas os dados geográficos e fatos históricos de cada região. O turista conta, ainda, com serviço de bordo em que são oferecidos petiscos e bebidas em geral —vale ressaltar que o trem não realiza paradas nos municípios.

Abaixo do percurso de 46 km da Ferrovia do Trigo (EF-491), em certas localidades, há campings, pequenas pousadas e alguns chalés para alugar, como por exemplo no interior do município de Vespasiano Corrêa, onde está o V13.

Os gaúchos Ariel e Francine Agnoletto, de 46 e 43 anos, se dizem apaixonados por viagens, e já realizaram a viagem no Trem dos Vales com o filho Álvaro, 12. Agora, Francine se programa para levar seus pais para conhecer o trajeto no dia 2 de outubro.

“É o passeio de trem mais lindo que temos no Brasil, e isso que já fiz vários. O diferencial desta viagem são as vistas dos vales, do rio, dos túneis e viadutos. É incrível’’, acredita a arquiteta, que também administra um blog de viagens.

Uma dica de Francine é que os turistas cheguem à Estação Ferroviária de Muçum com pelo menos 30 minutos de antecedência. “O trem parte às 14 horas pontualmente’’, afirma. Enquanto se espera, vale a pena tirar fotos da estação e dos vagões.

O VAGÃO DE GETÚLIO VARGAS

Dos 12 vagões que integram a composição, dois deles são considerados especiais pela Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF): o primeiro, com a cifra AD-09, foi construído em 1925 no Rio Grande do Sul, e era usado para transportar diretores da viação férrea para outros municípios do estado gaúcho.

Este vagão também acabou sendo utilizado muitas vezes pelo ex-presidente Getúlio Vargas nas décadas de 1930 e 1940, o que lhe rendeu o apelido de ‘’Vagão Getúlio”.

O segundo vagão “especial” é o AM-01, fabricado em 1924, em Curitiba, no Paraná. Este também era utilizado para transporte de diretores do modal ferroviário e personalidades políticas, como Nereu Ramos, que foi vice-presidente e presidente da República —neste cargo foram apenas dois meses e 21 dias.

Planejado por mais de 20 anos, o Trem dos Vales virou realidade em 2018, quando convidados e imprensa fizeram o primeiro embarque em dezembro daquele ano. Em 2019, em dois finais de semana viajaram mais de 5.000 turistas em oito passeios.

Na pandemia, houve apenas 50% de ocupação nos vagões. Para a temporada 2022, que teve início em 6 de agosto, a previsão é realizar 60 passeios, transportando mais de 35 mil turistas.

TREM DOS VALES

  • Quando Até 29/10
  • Onde Rota Guaporé-Muçum e Muçum-Guaporé
  • Preço Ingresso por trajeto R$ 148,00 (vagão tradicional) e R$ 198 (vagão executivo). Transporte de retorno rodoviário R$ 21. Crianças entre 0 a 5 anos e que não ocupam assento não pagam. Informações e compras em www.tremdosvales.com.br

Fonte: https://www1.folha.uol.com.br/turismo/2022/09/passeio-de-trem-no-rio-grande-do-sul-leva-turista-ao-viaduto-mais-alto-das-americas.shtml

Paulo Menzel

×